Ai que raiva!!!

frustadaQuem diz não senti-la, que atire a primeira pedra e corra para fazer uma terapia de autoconhecimento, pois está suprimindo emoções, perigosamente!

Fingir que estamos frios quando na verdade existe um vulcão interior, pode ser muito perigoso. Pois certamente vamos explodir mais tarde, em uma ocasião completamente diferente e com pessoas inocentes!

Mas a permissividade na expressão desse sentimento também não é nada positiva! Nem oito, nem oitenta! Quem diz que prefere explodir com alguém do que guardar a raiva, está enxergando apenas os dois extremos. Pois vê apenas duas péssimas opções: Guardar e engolir a raiva ou explodir impulsivamente!

Existiria uma outra opção mais saudável e positiva? Penso que sim e te convido a pensar a respeito.

De fato, a raiva pode ser um sentimento avassalador que pode destruir relacionamentos.

Mas é também um sentimento de alerta, que quando bem trabalhado e compreendido, pode nos dar indicações importantes a respeito de uma situação e de nós mesmos.

Vamos observar a dinâmica desse sentimento, através de um dos personagens de meus livros: O Durval

Durval é uma pessoa igual a tantas outras que lida com sua vida e seus sentimentos da melhor forma que pode, buscando o que supõe necessitar para viver feliz. Procura agir dentro de seus mais altos princípios, mas em alguns momentos, mesmo não gostando de reagir desse modo, algo incontrolável ocorre em seus sentimentos e Durval perde a cabeça e ferve de raiva!

Algumas vezes ele até consegue se controlar e evitar a explosão, mas isso acaba fazendo com que se sinta mal durante muito tempo, se cobrando que deveria ter feito isso ou aquilo, deveria ter dito isso ou aquilo.
Durval passa, às vezes, dias seguidos remoendo os pensamentos, como que ensaiando como deverá agir na próxima vez em que aquele fato ocorrer. A tal próxima vez chega, e ele esquece todos os ensaios anteriores repetindo o mesmo tipo de conduta emocional explosiva.

As explosões de Durval colocam em risco os seus relacionamentos. Muitos amigos já se afastaram, pois não suportam viver ao lado de alguém que mais parece uma bomba relógio, pronta para explodir a qualquer momento. As explosões de Durval fazem com que todos se sintam muito constrangidos!
E se tentarem pedir calma, ele se irrita mais e faz longos discursos a favor da sua razão de estar tão indignado!

Na verdade, Durval não gosta de ser assim! Ele tem medo de que um dia desses seu coração estoure, pois quando é acometido por um ataque de raiva, tem taquicardia, sua pressão sanguínea sobe e sua respiração fica ofegante. Porém, antes que consiga raciocinar, já explodiu!

Depois, Durval sente muita vergonha de ter se comportado dessa forma. E às vezes não há sequer como ele tentar pedir desculpas e ser perdoado, devido à gravidade de suas atitudes. Durval quer mudar, mas não sabe como!

Essa história emocional de Durval é muito comum, não é mesmo? Certamente você conhece quem se encaixe nesse perfil.

Como mencionei no início, existe uma terceira opção mais positiva do que engolir a raiva ou explodir.

A primeira coisa que precisamos fazer ao ficarmos frente a frente com algum sentimento incômodo, seja ele qual for, é admiti-lo. Precisamos admitir o que estamos sentindo, sem tentarmos minimizar o sentimento.

Dizer para nós mesmos o que estamos sentindo de verdade pode ser extremamente simples, aparentemente. Mas seria de fato real a nossa avaliação do que estamos sentindo?

Muitas vezes, nossa percepção da realidade, do que de fato sentimos estará mascarada, pois podemos estar escondendo de nós mesmos um sentimento que não aprovamos, que não queremos ver por achá-lo mau, indigno ou até mesmo perverso.

De todas as emoções, talvez a raiva seja a mais difícil de ser controlada! Isso porque é uma emoção aparentemente repentina, imprevisível e que nos pega de assalto.

Essa conturbada emoção funciona como um alarme, um alerta de que algo externo nos põe supostamente em perigo, seja esse perigo real ou apenas imaginário.

A raiva é um tipo determinado de reação que nos avisa de que algo em nossas expectativas foi frustrado.

Raiva é frustração!

A raiva pode ser uma reação de alarme e autopreservação, que pode nos servir para mostrar que algo não está exatamente como prevíamos, e que precisamos assumir alguma postura de lutar ou fugir de algum perigo físico eminente.

Pode ser, também, o soar de um alarme interno para que observemos melhor nossas expectativas, percebendo qual desejo nosso foi frustrado e qual o novo rumo a seguir em direção à meta.

Por exemplo:

Podemos querer que uma pessoa aja de uma forma específica. Mas, ela age de forma diferente do que gostaríamos. Nesse momento, frustrados em nossa expectativas, sentimos raiva dessa pessoa!

Mas, se estivermos conscientes de que estamos na verdade frustrados conosco, com a nossa expectativa e desejo, podemos mudar o foco e ao invés de explodir com a pessoa, pensarmos a respeito do quanto estamos projetando uma expectativa impossível, pois não podemos controlar o outro. Podemos pensar a respeito do quanto estamos querendo mudar o outro, ou perceber que não estamos enxergando essa pessoa ou que estamos, na verdade, querendo manipular uma situação. Ver a razão verdadeira da nossa frustração pode nos fazer crescer, respeitar mais os outros, nos abrir a novas ideias, preferir a verdade do que a ilusão, enfim, melhorar como pessoa!

Nesse sentido, quando percebida antes da explosão, a raiva pode ser vista como um alerta positivo, pois foi imediatamente direcionada para um foco interno e produtivo e não ao ataque.

Quando temos a vontade de controlar a qualquer custo, vemos um evento e as pessoas envolvidas como sendo nossos inimigos. Os vemos como algo a ser controlado à força ou ser destruído caso resista. Esse é o tipo de pensamento que precisa ser trabalhado em quem tem problemas em lidar com a raiva.

Não há como pretendermos controlar totalmente os eventos e muito menos as pessoas! Só podemos controlar a nós mesmos!

Não temos aqui, espaço para trabalhar todos os aspectos envolvidos e como nos libertar desses sentimentos. Mas, esses e outros sentimentos destrutivos são amplamente discutidos e trabalhados em diversos de nossos livros e cursos.

Podemos trabalhar esses sentimentos, entendê-los e também aprendermos a lidar com pessoas que costumam ter esse tipo de reação.

Vale à pena trabalhar esse sentimento que pode estar destruindo sua saúde e seus relacionamentos!

Com carinho,

Vera Calvet

Este texto e assunto fazem parte do livro – Raiva e frustração – como lidar

 

Anúncios

Quem com ferro fere…

A palavra “crítica”, em principio, significa: Uma análise avaliativa de alguma coisa.

E as coisas podem ser avaliadas positivamente, negativamente, ou conter tanto pontos negativos quanto positivos.

Porém, normalmente o ato de criticar está associado a uma censura, condenação ou avaliação negativa onde são apontados os erros. E nisso, muitos se sentem completamente à vontade.

Criticamos pessoas, comportamentos, políticos, artistas, relacionamentos, familiares. Criticamos a tudo e a todos, quase que por hábito.

Ouvi certa vez um artista dizendo que – “O critico pode ser uma pessoa terrivelmente acomodada, cujo único papel é criticar sem que esteja, sequer levemente, comprometido a ter empatia com o criticado.”

Ao menos em relação aos maus críticos, ele tem uma certa razão.

Criticar negativamente e apontar supostos erros é tão fácil! Todos nos sentimos aptos a isso. Parece ser natural ao ser humano.

Mas para termos propriedade em uma critica, usando-a como uma real avaliação, precisamos ter um mínimo de inteligência emocional, e isso, tem relação direta com o poder de desenvolvermos a empatia.

Empatia é se identificar, procurar entender o outro e o seu ponto de vista. É procurar se colocar no lugar de outra pessoa, buscando entender a forma como ela pensa, sente ou age. E para isso, temos que levar em conta as dificuldades e potenciais dessa pessoa.

A critica sem empatia pode não ser construtiva, e sim, altamente negativa!

Fazer um comentário que só aponta os erros, as falhas ou os pontos a serem melhorados, é apenas focar as dificuldades e não as possibilidades do criticado.

Ou seja, a crítica sem empatia invalida ou diminui a ação do criticado. O compromisso da critica, neste caso, é desconstruir. E não, construir.

O criticado poderá se sentir agredido, invalidado, sem poder, e portanto, sentir a necessidade de se defender, de invalidar a crítica, revidar a agressão que sentiu ser vítima.

Resultado: Negativo em altíssimo grau!

Não importa se o crítico tinha ou não razão em sua observação! Critica sem empatia é ferro em brasa, ferindo e desconstruindo.

E quem com ferro fere…

Que tipo de critico é você?

Fácil saber essa resposta: Basta observar a reação do criticado às suas criticas.

Avalie, mas sempre com empatia!

Com carinho,

Vera Calvet

Mais textos em: http://www.rashuah.com.br/textos_de_autoconhecimento.html

.

Respirações Ráshuah – Parte 1 e 2

Respirações Ráshuah – Parte 1

Respirações Ráshuah – Parte 2

Entrevista ao programa – Relaxe e Viva Feliz da Rede Vida de televisão, onde Vera Calvet nos fala a respeito de seu livro – Conto dos Guerreiros Ráshuah,

Esse livro é um belíssimo conto de guerreiros, mestres e samurais com aventura e muita reflexão onde em cada capítulo o leitor pode aprender uma das sete técnicas exclusivas de respirações Ráshuah ensinadas passo a passo no DVD que acompanha o livro.

.

Meditação online

As técnicas de Meditação Ráshuah foram desenvolvidas por Vera Calvet, na intenção de criar técnicas exclusivas que combatessem o estresse físico, emocional e mental, e que se adaptassem a nossa forma de vida ocidental.

O praticante não precisa seguir nenhuma linha filosófica oriental, nem sentar-se em posições desconfortáveis ou mudar sua orientação espiritual ou religiosa para aprender a meditação Ráshuah.

O objetivo principal da Meditação Ráshuah é o autoconhecimento e para isso, desenvolveu técnicas onde é possível fazer uma leitura do estado emocional e mental, além dos possíveis pensamentos negativos e bloqueios físicos que estejam dificultando a realização pessoal do praticante, para serem curados e transformados em autoconhecimento.

E, para esse objetivo, desenvolveu cinco técnicas, onde o praticante pode acompanhar a narrativa e promover a auto-cura mental, emocional e física.

A maior parte de nosso dia de trabalho, como também na vida pessoal, vivemos sobre grande pressão. Correria, trânsito congestionado, preocupações, estresse, falta de controle emocional. Saber relaxar não só fisicamente mas, principalmente saber relaxar e acalmar a seqüência dos pensamentos e aprender a lidar com as emoções é uma necessidade.

E se você acha que meditar é muito difícil, pois precisa saber parar de pensar, não se aflija mais!

Meditar com as técnicas Ráshuah, não é parar de pensar! Meditar na concepção Ráshuah é observar os pensamentos e emoções para transformá-los positivamente em autoconhecimento e cura.

COM AS TÉCNICAS DE MEDITAÇÃO RÁSHUAH VOCÊ PASSA A SER SEU PRÓPRIO TERAPEUTA

Ao desenvolver suas técnicas, a professora Vera Calvet tinha em mente criar técnicas simples que promovessem o entendimento pessoal do praticante a respeito de seu próprio comportamento mental, físico, energético e emocional e lhe dar armas para o trabalho de reforma pessoal.

Criou então as técnicas Ráshuah de Meditação e autoconhecimento, para que você possa ser seu próprio terapeuta.

O praticante aprende a:

1- Compreender e trabalhar seu corpo físico, sabendo como ler seus sinais de stress, evitando assim, possíveis estados doentios futuros. Aprende a manter o corpo e a mente relaxados diante das atribulações da vida cotidiana. Relaxamento e auto cura.

2- Harmonizar sua energia e entender onde havia perda energética e porque.

3- Cuidar de seu estado emocional e saber como melhorar sua conduta nos relacionamentos, sejam eles pessoais ou profissionais. Aprende a entender como seu inconsciente pode boicotar suas ações, aprende a lidar com o controle e as frustrações e como lidar positivamente e transformar sentimentos negativos e baixa estima, em poder pessoal e segurança emocional.

4- Aprende a acalmar o estresse mental e a concentrar melhor seu foco de atenção sem esforço. Entende como se processa uma noite de bom sono usando as freqüências mais lentas de seu cérebro, obtendo o descanso profundo e um total relaxamento.

5- E aprende a ouvir e desenvolver sua intuição, alcança seu universo interior onde entra em contato com sua Inteligência intuitiva, aprende a usar os dois hemisférios cerebrais, encontra seu mestre interior para orientá-lo e ajudá-lo em seu caminho de desenvolvimento pessoal – interno e externo.

A técnica proposta no link abaixo, é um relachamento narrado online e faz parte de cinco técnicas de meditações narradas nos 2 CDs que acompanham o livro – Curso de Meditação Ráshuah – módulo 1 de Vera Calvet.

No primeiro link, você encontra a introdução à meditação com as instruções.

O segundo link é um relaxamento físico narrado, que é a base inicial de todas as meditações Ráshuah.

Por favor não utilize essas meditações para fins profissionais, pois estão protegidas por direitos autorais nos livros da professora Vera Calvet.

Meditação Ráshuah online

Boa meditação!

Se quiser comprar esse livro, está disponível no endereço: http://www.livrosrashuah.com.br

.

Crise financeira

Obter dinheiro para manter a vida. Esse, sem dúvida, é um dos fatores que mais preocupam e nos causam estresse. Afinal, sem essa “coisa que inventamos”, a tal da moeda para trocar em bens e sustento, morreríamos de fome, doentes e ao relento.

Sem que percebêssemos, adotamos um padrão social que nos exige muito e temos dificuldades para manter. Tendo que viver em uma sociedade que nos exige tanto e que tão pouco nos dá em troca, tentamos manter esse status, ao mesmo tempo que percebemos o quanto é um padrão injusto, egoísta, separatista, destrutivo, tenso, inviável e que desperta o pior em nós.

Vivendo assim, divididos entre o que pensamos ter que fazer versus o quanto odiamos isso, estamos sempre nos colocando na posição de vítimas. Vítimas de um sistema do qual não vemos saída. E é essa a entrada para um poço profundo de frustrações e falta de poder. Estamos presos em um círculo vicioso, sofrendo a doença da vitima frustrada e sem poder que se chama: Medo!

É possível que neste exato momento em que você lê essas linhas, esteja em um mau momento financeiro, e tudo o que quer é uma forma de sair disso. E aposto que você não gostaria muito de ler agora, algo a respeito do quanto sua mente pode reverter essa situação ao voltar-se para pensamentos mais positivos. Tudo o que deseja é uma boa ideia imediata para sair dessa situação. Depois, até poderia tentar pensar mais positivo, não é mesmo?

Então vamos tentar organizar as coisas!

Uma boa forma de tratar de momentos onde nos sentimos sem poder para lidar com dívidas é a seguinte:

1) Vamos por partes! Vamos esquartejar o problema, pois o que o torna monstruoso, é nossa forma de vê-lo como um todo. Isso nos dá medo!

Por exemplo: Olhamos para nossas dívidas, fazemos as contas e enxergamos uma cifra ENORME! Uma cifra que tem um grande poder! Porém, se separarmos as dívidas uma a uma, por datas de vencimento, por exemplo, veremos que na verdade temos quantias muito menores por ordem de prioridade. Faça uma lista com os valores ao lado. Não pense apenas a respeito, olhando as contas sobre a mesa! ESCREVA! Isso nos dá mais confiança e poder, e acima de tudo, ORDEM nos pensamentos.

2) Escolha-as por datas mais urgentes ou por valores menores em primeiro lugar.

3) Foque sua atenção total na que estiver no topo da lista e ESQUEÇA as outras momentaneamente, pois lembrar de todas juntas é o que nos faz sentir medo e falta de poder para solucionar.

4) Trabalhe na solução exclusiva da que escolheu e resolva-a, atento apenas para não deixar passarem os prazos das outras.

Uma por uma, conforme as organiza, vá dizendo firmemente: Chegou sua vez de ser liquidada! Vou resolvê-la AGORA!

5) Fique atento às respostas e soluções que a vida poderá lhe enviar, tipo um sinal, um telefonema, uma solução que não havia pensado antes, etc. Não se feche nas antigas formas de resolver suas questões. Abra-se para novas soluções, possibilidades e ajuda.

6) Assim que conseguir a quantia necessária para liquidar a conta que está no topo de sua lista, LIQUIDE-A! Não mude de ideia e pague outra ou vacile! Aquele dinheiro foi direcionado para aquela conta específica! Acabe com ela e aí sim, passe para outra!

Após a crise e o estresse terem diminuído, considere começar a rever suas necessidades, sua forma de consumir, enfim, reveja os ônus x os bônus de sua situação de vida. Quais são as verdadeiras prioridades e o que é de fato real e importante em sua vida!

O mais importante nesse processo de sair da crise, será manter seu foco de atenção positivamente e sem tensões. Difícil? Claro, pois há anos você cria tensões e medo ao lidar com dinheiro! Normal que não seja tão fácil relaxar e focar sua atenção. Mas É TOTALMENTE POSSÍVEL! Foque em uma questão de cada vez, que vai ver o quanto é possível! E verá também, que como mágica, parece que as portas vão se abrindo, as soluções vão surgindo, e ajuda de lugares inimagináveis começam a surgir. Confie, pois ninguém passa por uma situação, que não possa resolver!

Você é quem manipula a energia do dinheiro! O dinheiro é uma energia que faz parte desse mundo, como outra energia qualquer! Não dê a ela mais importância do que possa ter! Não é o dinheiro que te manipula! É você quem tem esse poder! O dinheiro é o objeto! Você é o sujeito!

E agora sim, vamos falar a respeito de pensamentos mais positivos!

Observe que nossas ações são consequências de nossos pensamentos aliados a sentimentos que podem ser positivos ou negativos, dependendo do quanto nos autoconhecemos.

Tudo inicia com um pensamento e termina em uma atitude. Mas entre eles, pensamento e ação, existe algo que pode nos conturbar e nos fazer agir negativamente – são as emoções.

No caso de uma crise financeira, observe se lá no fundo de sua mente existe um pensamento de que algo sempre sairá errado, que não depende de você, que “os outros” têm poder e não você, ou que você não merece, não pode ou não consegue ser próspero? Esses são seus vilões – Sua crenças!

Assim que notar que esses pensamentos estão em ação, faça o pensamento contrário e diga – “Estou seguro e só atraio o melhor em minha vida! Tudo se resolverá, pois me mantenho calmo, alerta e assertivo em minhas ações!”

Faça dessa frase o seu mantra! Vigie seus pensamentos, pois são eles quem decretam como será sua vida!

Um grande abraço e força, pois eu creio em você e sei que pode!

Com muito carinho,

Vera Calvet

Depressão

A depressão parece ser realmente o mal do século. Por quê?

Talvez o alto padrão de exigência que nos auto-impomos seja um grande detonador. Talvez o fato de que esse alto padrão nos exija um comportamento cada vez mais enquadrado em padrões estéticos, financeiros e sociais, que valorizam o externo e não levam em conta o eu verdadeiro de cada um de nós.

Talvez ninguém tenha nos ensinado a valorizar e enxergar a nós mesmos, e com isso, não nos conhecemos de verdade.

Seja como for, a depressão é o aviso de que estamos com pensamentos negativos a respeito de nosso poder pessoal. Não nos sentimos bons o suficiente, fortes o suficientes, etc, etc…o suficiente.

E o que significa “o suficiente”? Com parâmetros utópicos, o suficiente significa o impossível!

Medo e frustração são os dois sentimentos básicos, geradores da depressão.

Às vezes parece mesmo que entramos em um período de “buraco negro”, onde tudo parece ser sugado para dentro e onde nada se manifesta positivamente. E nesses momentos, apesar do sentimento se entregar a frustração, podemos escolher pensar que isso pode ser uma espécie de aviso da vida. Não um aviso de que não somos bons e certos o suficiente, mas de que estamos pensando em alguma direção errada, que pode até nos parecer certa aparentemente, mas que na verdade não está compatível com nosso caminho de evolução, com nossa verdade interior.

Por exemplo:

Podemos estar querendo que nossa profissão dê certo, sem que ao menos gostemos de verdade de nosso trabalho! Isso seria uma incoerência energética! E o dinheiro vindo do trabalho então, não aparece!

Ou, podemos estar desejando que um relacionamento tenha sucesso, mas ao não nos conhecermos de verdade, não podemos conhecer e entender o outro e também não conseguimos nos fazer entender.

O que faz nossos caminhos se abrirem naturalmente seja em que terreno for, é nossa energia de prazer e verdade dentro disso.

Procure investigar o fundo de sua alma e veja onde sua energia verdadeira estaria entrando em contradição com suas atitudes.

Use o aparente “buraco negro” da tristeza positivamente para entender as mensagens da vida, que logo, logo, você sairá dessa influência e seus caminhos deslancharão!

Procure se perguntar, se de fato o trabalho que exerce atualmente é uma vontade de seu coração. Pergunte e ouça seu coração, pois às vezes escutamos a voz do racional e esquecemos-nos de ouvir nosso coração. Caso estejamos seguindo apenas a voz da razão e esquecendo o coração, o caminho realmente não se abre totalmente. O que abre nossos caminhos na vida é expressarmos com amor e prazer o que verdadeiramente somos e gostamos de fazer! O dinheiro e o sucesso são conseqüências disso. Ouça seu coração! Ele saberá guiá-lo!

Não existe felicidade sem o autoconhecimento!

Leia também os tópicos a respeito do estresse, do medo e da frustração.

A verdade liberta!

Não fique resistente a procurar ajuda médica! Muitas vezes, temos um distúrbio químico real e pensamos que estamos apenas tristes. Existem hoje, medicamentos sem tantos efeitos colaterais que podem ajudá-lo, nem que seja por algum tempo, até que consiga lidar melhor com seus problemas emocionais através de uma Psicoterapia ou Terapia emocional de apoio.

Fique em paz, no amor e busque sempre o autoconhecimento!

Com carinho,

Vera Calvet

Uma questão de fé

A palavra pode ser definida como sendo uma firme convicção de que algo seja verdade, sem que nenhuma prova irrefutável seja necessária para se acreditar. Fé, nesse sentido, seria uma confiança absoluta que depositamos em algo ou alguém.

A palavra veio da palavra grega pí-stis, que transmite a ideia de confiança, fidúcia, firme persuasão.

A fé se relaciona de certa maneira com os verbos acreditar, confiar ou apostar, isto é, se alguém tem fé em algo, então acredita, confia e aposta nisso.

Pode-se também considerar que ter é nutrir um sentimento de afeição pelo que acredita, confia e aposta, pois o sentido da fé é sempre positivo, ou seja, a pessoa de certa forma sustenta positivamente seu pensamento no objeto afeiçoado de sua fé.

A fé se manifesta de várias maneiras e pode estar vinculada a questões emocionais, a motivos nobres ou a motivos estritamente pessoais. Pode estar direcionada a alguma razão específica ou mesmo existir sem razão definida. Também não carece absolutamente de qualquer tipo de evidência física racional.

É possível nutrir um sentimento de fé em relação a um pessoa, um objeto inanimado, uma ideologia, um pensamento filosófico, um sistema qualquer, um conjunto de regras, uma crença popular ou a uma base de propostas ou dogmas de uma determinada religião.

A fé não é baseada em evidências físicas reconhecidas pela comunidade científica, por exemplo, o que faz com que muitos a rejeitem como sendo algo tolo e irracional, pois raramente existem provas concretas a favor de determinada fé. Isso, impossibilita uma troca de ideias baseadas no convencimento, quando por exemplo, uma pessoa que tenha determinada fé, tenta persuadir outra que não tenha essa mesma fé.

Aliás, essa é a maior causa dos conflitos dessa natureza, pois sendo a fé algo quase que emocional, pessoal e além disso, raramente ou nunca, passível de provas concretas, físicas, materiais, uma discussão nessa área é quase sempre um solo minado. A fé é geralmente associada a experiências pessoais e pode ser compartilhada com outras pessoas apenas através de relatos e não de provas concretas. Por isso, a imensa dificuldade de se estabelecer discussões nesse sentido.

Fé é geralmente associada então, a algum contexto religioso, dogmático, de crença preestabelecida, onde alguém crê no que é dito, por afinidade emocional e de certa forma racional, pois ambos pensam da mesma forma, seguem a mesma linha de raciocínio, se baseiam nos mesmos princípios.

Ninguém diz, por exemplo, ter fé que a natureza, os animais e os homens existam. Mas diz ter fé de que Deus as tenha criado. Nesse sentido, a natureza, os animais e os homens são passíveis de provas materiais de suas existências, já a crença em Deus, não.

Crer, ter a experiência emocional de algo, não pode ser provado a quem exija provas materiais, pois não pertence ao terreno da matéria e das leis físicas, mas sim, ao terreno intuitivo, espiritual e emocional.
Já a confiança não é, necessariamente, apenas uma questão de fé.

Confiar pode ser algo que venha através da experiência, da observação concreta e crítica. Confiança é uma coisa que se conquista, pois observando um evento que se repete sempre de determinada maneira, confiamos, através das observações anteriores, que provavelmente essa é a forma natural de comportamento desse evento. Seja esse evento algo positivo ou negativo.

Já a fé, sempre estará ligada a algum tipo de esperança e crença positiva, como pura e simples aceitação.

Quem tem fé, confia. Mas quem confia não se baseia necessariamente na fé, pois a confiança se baseia principalmente na observação antes da aceitação.

E você? Confia em sua fé? Ou confia mas não tem fé?

Com muito carinho,

Vera Calvet